Engenharia Elétrica

Perfil Profissional

O perfil profissional do egresso engenheiro eletricista da FADEP expressa, com fidelidade, as competências preconizadas pelas Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Engenharia (DCNs).

O mercado de trabalho exige que o engenheiro eletricista possua uma formação de cunho generalista com sólida formação básica e humanista, capaz de se adaptar às mudanças sócio-econômicas e tecnológicas, gerando métodos ou produtos que satisfaçam as novas mudanças.

A estrutura curricular para o Curso de Engenharia Elétrica foi construída de modo que o futuro egresso tenha o seguinte perfil profissional:

a) Formação sólida nas disciplinas básicas, garantindo que o profissional, depois de formado, tenha facilidade de acompanhar a evolução tecnológica.
b) Bom conhecimento na área de informática, ministrada já no início do curso, para que possa ser utilizada como ferramenta em todas as disciplinas.
c) Uma formação humanística para que o futuro profissional venha a ter um bom desempenho no relacionamento humano no trabalho, e que venha a tornar-se um engenheiro consciente de seu papel dentro da comunidade.
d) Um profissional com embasamento nos diversos conhecimentos que caracterizam o engenheiro nesta especialidade, proporcionado pelas disciplinas dos núcleos básico, específico e profissionalizante.
e) Uma visão global e interdisciplinar proporcionada pelo projeto de final de curso, no qual ele aplicará os conhecimentos adquiridos nas diversas disciplinas.
f) Uma visão real de sua vida profissional, proporcionada pelo Estágio Supervisionado com 250 horas.
g) Um bom desempenho nas aplicações práticas de sua vida profissional, resultante do grande número de aulas de laboratório desenvolvidas durante o curso.
h) A visão da excelência em todas as suas ações, resultante de um trabalho desenvolvido em praticamente todas as disciplinas do curso, principalmente as profissionalizantes.
i) A capacidade de buscar solução de problemas, de ser criativo e inovador, desenvolvida em sala de aula por uma nova postura do professor “como orientador”, que conduz o aluno desde o início de seu curso a buscar soluções por si próprio.
j) Capacidade de comunicação oral e escrita, desenvolvida nas diversas disciplinas do curso.