Notícia

Aula Magna e Cerimônia do Jaleco marcam início das aulas de medicina

Publicado dia 09/10/2017 às 07:45

Em meio aos sorrisos, a alegria e uma irradiação de orgulho, choros de quem compartilhava a conquista de um sonho. Se tinha algo em comum entre pais e filhos na manhã do último sábado (07), na Fadep (Faculdade de Pato Branco), era a certeza de que ali iniciava-se um lindo caminho em direção ao futuro.

Com a presença de acadêmicos e familiares, o curso de Medicina da Fadep promoveu a Aula Magna com o professor da UFPR (Universidade Federal do Paraná), Miguel Ibraim Abboud Hanna Sobrinho, que palestrou sobre “A Medicina Humanizada e a Ética Médica na era Tecnológica”. Sobrinho é reconhecido pelo seu conhecimento em ética e atuação na cardiologia.

Durante a abertura do evento, o diretor geral da Fadep, professor Eliseu Miguel Bertelli, destacou a importância do projeto para a Faculdade e seu início, em 2001, com a abertura dos cursos na área da saúde. Segundo ele, a Instituição passa a ter um novo objetivo agora.

“Estamos muito felizes por esse momento. Queremos e vamos ter um curso de referência, essa será nossa missão a partir de agora. Nosso objetivo é formar profissionais cada vez mais voltados à formação humanizada. Acadêmicos aproveitem toda a nossa infraestrutura para sua formação pessoa e profissional”, afirmou.

Em seguida, o representante do CRM (Conselho Regional de Medicina), o médico Pedro Bortot, falou sobre a responsabilidade que os futuros médicos terão daqui para frente. “Vocês começam, hoje, a escrever o primeiro capítulo deste curso. Contem com o CRM para o que precisarem”.

Na sequencia, Sobrinho iniciou sua palestra. Ele destacou a alegria em dividir um momento tão especial com pais e alunos. Lembrou as dificuldades enfrentadas pela medicina há 40 anos e pontuou as mudanças às quais os médicos vêm passando ao longo dos últimos anos.

“Há 40 anos, a mortalidade infantil era uma das principais mazelas que tínhamos. Hoje, passamos essa barreira. Essa mudança veio a partir do fomente as pesquisas. Por isso, se aprimorem, estudem, pois a ciência é o maior dos valores que temos. O conhecimento sozinho não vale nada, ele precisa fazer a diferença na vida das pessoas”.

Com a Aula Magna encerrada, começou o momento mais aguardado da manhã. A Faculdade deu início a Cerimônia do Jaleco, momento em que os acadêmicos receberam das mãos de seus pais e familiares um jaleco e estetoscópio. Tradicional nos cursos de medicina, o momento é considerado muito especial por marcar o início da preparação dos futuros médicos.

Coordenadora do curso de Medicina da Fadep, a Dra. Ivone da Silva Duarte pontuou que esse é apenas o começo de uma longa jornada. “Serão seis anos difíceis, mas que estaremos todos juntos. A partir de hoje, começamos a construção de um curso de excelência. Um momento de grande responsabilidade e união”.

Expectativa em alta

Celebrando um lindo sonho e felizes pelo início de uma carreira que promete ser vitoriosa, os acadêmicos deixaram as expectativas falarem. “Tenho certeza de que vamos vivenciar grandes conquistas e aproveitar ao máximo os momentos aqui. Buscamos a excelência em nossa formação e tenho certeza de que a faculdade nos proporcionará uma formação humanizada e crítica”, enfatizou a acadêmica Maria Carolina Nandi.

“A expectativa é muito boa, pois o corpo docente, laboratórios, entre outros espaços, demonstram a importância que a Fadep está dando para o curso de medicina. Estamos inseridos em uma região que é um polo médico e atualmente precisamos de mais profissionais”, conclui o acadêmico Cesar Augusto Volpato.  

Sonho realizado

Pelos pais, o momento foi celebrado com muitos abraços e beijos. A conquista era algo de toda a família. “Muito, muito, feliz. Faz dois anos que ela vinha batalhando para chegar esse momento. A gente sonhava juntas cada instante. Era algo muito esperado”, contou Fernanda Beckhauser, mãe da acadêmica Gabriela, de Nova Esperança, no Paraná.

Pai da acadêmica Letícia Gödel, Herno Marcio Gödel conta que após um ano de cursinho o sonho foi realizado. “Ficamos sabendo do vestibular pelo programa Voz do Brasil. Na sequencia, insistimos para ela fazer a inscrição e deu tudo certo. Era um sonho dela desde pequena. Ela sempre disse que cursaria Medicina”, afirmou o pai ao lado da família, que é de Campos Novos (SC). 


Assessoria de Comunicação

Matéria: Rodrigo Bortot (DRT/PR - 9040)

Foto:Rodrigo Bortot